Gastronomia

Chef Pedro Pena Bastos a abrir o Apetite dos Críticos

Chef Pedro Pena Bastos a abrir o Apetite dos Críticos

Na semana passada, o chef do Restaurante Esporão foi destacado em duas importantes publicações. O site internacional Food Republic e o blogue português Mesa Marcada passaram pelo nosso restaurante e entrevistaram o chef Pedro Pena Bastos.

A jornalista Judy Cantor-Navas e o artista espanhol David Navas estiveram à conversa com Pedro Pena Bastos sobre o seu percurso, o restaurante, gastronomia e o Alentejo. David Navas, registou esta visita através de uma fantástica ilustração (aqui, no topo do artigo). No seu desenho final, aparecem os retratos de três chefs portugueses nos seus restaurantes: Henrique Sá Pessoa no Alma, José Avillez no Belcanto e Pedro Pena Bastos no Restaurante Esporão.

O artigo destaca ainda o pão, bem crocante, e a manteiga envelhecida inspirada em memórias que o chef guarda da sua avó:

“A minha avó deixava a manteiga fora do frigorífico,” explica Pedro Pena Bastos. “Após três ou quatro dias, começava a ganhar um sabor a queijo. Enquanto criança, isso fascinava-me. O meu objectivo era replicá-lo.”

No artigo do Mesa Marcada, Miguel Pires faz um registo mais pessoal da sua experiência no restaurante. “Uma das refeições do ano no Esporão. Fixem este nome, vai dar que falar: Pedro Pena Bastos.” é o título que serve de introdução ao artigo que começa por falar do percurso profissional do chef do Esporão.

“Faz algum tempo que acompanho à distância o que este jovem chefe de 25 anos vem fazendo, desde que há um ano e meio se mudou para o Alentejo (…) Antes do Esporão, o Pedro passou por restaurantes de topo, como o Belcanto (Lisboa) ou o Ledbury (Londres) – ambos com 2 estrelas Michelin – e teve uma breve passagem pelo Grémio Literário (já como chefe) e por um projecto próprio, A Revolta do Palato, empresa tipo “chef ao domicilio” que formou com a Teresa.”

As fotografias que o chef publica com grande frequência chamaram à atenção do jornalista e a curiosidade levou-o até Reguengos de Monsaraz, para provar os muitos pratos que seguia atentamente no Instagram do chef.

“É certo que por vezes o olhar engana e o que parece atraente desvanece na prova. Porém, quando há pouco mais de uma semana apontei a sul tinha um feeling de que não ia ao engano.”

Da refeição, Miguel Pires, começa por destacar exactamente o pão e a “incrível” manteiga envelhecida, tal como no artigo da Food Republic. Da manteiga aos pratos, as expectativas não foram defraldadas e os elogios ao chef não faltaram. Desde a qualidade dos pratos que apresenta, à maturidade e segurança que revela: “ (…) revela uma maturidade e uma segurança pouco comuns para um chefe de apenas 25 anos. A sua cozinha não é disruptiva, nem tem que ser – até porque o Esporão não é propriamente um produtor de vinhos underground. Contudo, os seus pratos revelam criatividade, audácia, sensibilidade e profundidade de sabor e, nas conjugações, reina uma harmonia quase sempre com um toque desafiante à espreita”.

Pode ler os artigos aqui:

Meet the chefs behind Portugal’s Thriving Restaurant Scene, Part II‘, por , em Food Republic

Uma das Refeições do Ano no Esporão. Fixem este nome, ele vai dar que falar: Pedro Pena Bastos‘, por Miguel Pires, em Mesa Marcada